sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Nossa, com esse tanto de feriados no começo da semana, faz uns 47298 anos que a gente não tem ITB. Logo agora que finalmente teve uma aula prática (nos bonecos, é claro). Como o módulo de Bases Morfológicas (anato, embrio e histo) já acabou, estamos tendo infinitamente aulas de Fisiologia.

Nesse fim de semestre, tem prova toda semana. A gente passa a semana estudando algum sistema - o da vez é digestório - e fazemos a prova na semana seguinte, enquanto já iniciamos o próximo sistema. Tipo, bem corrido. Biofísica está mais ou menos assim, exceto que eu 'tô quase completamente perdido U_u e a professora fala tão rápido que eu literalmente não consigo escrever tudo que eu quero. E agora ainda inventou que precisamos de um livro específico lá, ao invés da apostila que usamos o ano inteiro. Ah fala sério.

Fora da sala de aula, continuo no projeto Há Braços. A dona Zilda já recebeu alta, então semana que vem vou visitar algum novo paciente =). Na sexta-feira dia 6 tem festa na atlética e dia 13 tem mais um dos nossos chás, mas essa explicação fica pra outra hora.

Agora com mais um feriado chegando, eu vou pra Assis! Muito tempo que não vejo o pessoal de lá.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

ITB e o Projeto Há Braços

Introdução às Técnicas Básicas (ITB) é pra ser uma das matérias legais desse semestre. Como qualquer calouro de medicina, nós entramos na faculdade meio desesperados pra começar no Corte & Costura. Pelo menos o burro aqui, que não conseguiu entrar na Liga de Técnica Operatória. Não que ITB seja isso, mas pelo menos tem um pouquinho de prática pra acalmar os ânimos.
Como as aulas são nas segundas-feiras e há vários feriados nesse fim de ano, só tivemos uma aula teórica até agora. Importância de prevenir contaminação, aplicação de injeções, sinais vitais... Nada de surpreendente né? Mas como a gente é muito idiota feliz, é claro que assim que o primeiro do grupo - Gabriel - aprendeu a aferir a pressão, nós nos reunimos na casa dele pra testarmos em nós mesmos! E poxa, ninguém pra ter uma hipertensão e animar um pouco a coisa.
Semana que vem será nossa primeira aula prática em bonecos e depois disso começamos a ir na UBS para quem sabe ter uma cobaia humana. xD

Além desse início de alguma prática agora também irei um pouco mais no Hospital, mas nada a ver com as aulas. Entrei em um projeto de extensão muito legal, o Há Braços. Nele nós visitamos vários leitos do Hospital para criar um encontro entre o paciente e a gente, tentando estabelecer uma relação mais humana do que a que normalmente é feito pelos médicos.



Hoje fui com o Leonel, minha dupla, fazer nossa primeira visita. 4º andar do HSP, enfermaria de Reumatologia, leito 417. Nós dois super nervosos sem nem ideia do que conversar, se já chegaríamos puxando algum assunto, se o paciente iria nos receber bem, mas deu tudo certo. Dona Zilda foi super simpática conosco. Está internada há um mês com Lupus (viu, existe mesmo!) e recebe um monte de visitas da família inteira que veio do interior da Bahia e de São Paulo, mas mesmo assim quis conversar bastante com a gente e respondia tudo que a gente perguntava, explicando desde a comida baiana até o relacionamento com as filhas. Bom, quinta feira tem reunião do projeto e eu conto mais, mas já posso dizer que essas visitas são realmente muito válidas, tanto para o paciente como para nós.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

O poder do mito, da filosofia, da umbanda, da história...

Psicomed. Outra das matérias novas do segundo semestre, seguindo o roteiro do último post. Ao contrário de Saúde Coletiva, que tentava nos convencer da super-belezura que é o SUS, essa disciplina busca forma médicos mais humanos, do tipo que se preocupa e conversa com os pacientes ao invés de fazer uma consulta de 4 minutos.

Apesar da Soraia me achar uma pessoa má que não se preocupa com o povo (é, você mesmo Sô!), eu considero isso importante sim afinal eu poderia cobrar por tempo de consulta. Não há nada de prática nessa matéria, apenas discussões semanais em grupos de 20 alunos sobre algum texto, alguns citados no título desse post.

Assim, na primeira semana discutimos o que é e para que serve um mito. O que é e para que serve a filosofia. O que é e para que serve a Umbanda. Perceberam um padrão aqui? Apesar de algumas discussões interessantes, normalmente acho tudo bem repetitivo. Lemos um texto um dia antes da aula, começamos a aula nos dando nota 10 por termos refletido muito, alguém escreve algumas perguntas no quadro e nós respondemos na forma de um quase-debate.

Falta polêmica, comentários mais profundos a respeito dos textos e opiniões mais divergentes. Ainda espero um tema legal pra poder lançar uma bomba no meio da sala, mas alguém sempre me controla não é... Continuo achando que a maioria das pessoas só responde o que o professor espera de uma pessoa com bom coração. Aliás, nosso professor mudou durante o curso. Começamos com um, que saiu pro problemas familiares, e agora estamos com uma que não deixa a gente falar.

Amanhã a tarde é a próxima aula, discutindo a evolução da medicina e o papel social do médico. É meio assustador porque tem várias verdades que eu nunca tinha parado para pensar, ainda mais sobre quem está começando na medicina. Acho que dessa vez eles acertaram na escolha do texto viu? E eu vou fingir que li Foucault só pra impressionar hohoho.

No fim do ano temos que apresentar um trabalho para a classe toda, apresentando nossa visão sobre todos os temas discutidos e relacionando-os com o relacionamento médico-paciente e a habilidade de conhecer pessoas. Aham, não entendemos o que é isso tudo.

Palavras-chave da disciplina: subgrupos A-D, nota de saída, Rud, madrinha Lourdes, apresentação final, bongô.

Hiato suíno e o drama da Saúde Coletiva.

Assim, eu acho que todos ficaríamos mais felizes se fingirmos que eu não fiquei todo esse tempo sem escrever por preguiça, combinado? Então se alguém perguntar, nós estávamos de férias até agora por causa da Influenza A (H1N1, gripe da porcada, fim do mundo, chamem do que quiserem). Realmente, depois de apenas 3 dias de aula, nós tivemos uma semana a mais de férias devido a esse probleminha.

Mas enfim voltamos, felizes e ansiosos por um novo semestre cheio de novidades espetaculares pela frente. HA-HA. Continuamos com as matérias básicas do semestre anterior mas também começamos algumas novas: Saúde Coletiva, Psicologia Médica (Psicomed), Suporte Básico de Vida (SBV) e Introdução às Técnicas Básicas (ITB).

Seguindo a ordem citada, comecemos pelo começo =).
Saúde Coletiva I: Saúde e Adoecimento. Acredito que o nome chique e completo é esse ou alguma coisa muito parecida. Achei que ia ser uma matéria muito chata, com textos desnecessários e relatórios quilométricos para fazer. E como sempre eu estava certo.

Essa matéria consiste basicamente em algumas discussões teóricas sobre atendimento básico, tentando nos convencer de como isso é importante para não atolar os hospitais de pessoas que na verdade não deveriam estar lá. Também aprendemos a diferença de uma Unidade Básica de Saúde tradicional e uma com o Programa de Saúde da Família, onde basicamente há uma equipe multidisciplinar que visita as famílias da comunidade e garante que eles não estão morrendo.

Na parte prática, nós visitamos esses lugares e a própria comunidade. Eu, por exemplo, vou no Jardim Lourdes e visito a região com a agente de saúde Simone. Sempre fazendo anotações e mais anotações, pois precisamos montar um portfólio contando nossa vida por lá. Ah, também precisamos descobrir alguma situação-problema no sistema de saúde (difícil não?) e achar uma solução. Mas pelo menos é uma chance de usarmos nossos jalecos fora do laboratório de anatomia e sermos confundidos com algum médico de verdade.

Palavras-chave da disciplina: UBS, PSF, portfólio, situação-problema, portfólio, ônibus às 7:30, portfólio, textos 1-8, portfólio.

[interna]O professor da Mônica devia ser mandado embora![/interna]